segunda-feira, 19 de Abril de 2010

Vilarinho das Furnas: "No dia seguinte só havia silêncio"

O jornal “Público” publicou, em 23-08-2009, uma reportagem sobre o regresso dos antigos moradores da Aldeia de Vilarinho da Furna 40 anos depois da saída do último habitante.

“Trinta antigos moradores regressaram à aldeia submersa pela barragem há 40 anos”

João Rodrigues aponta entre as árvores para o que resta do casario da antiga povoação. "Era aqui a famosa aldeia de Vilarinho da Furna". Foi ali que nasceu, há mais de 60 anos, na povoação encravada entre as serras do Gerês e da Amarela. Para trás, na história da aldeia, estão 40 anos de submersão nas águas da barragem que lhe tomou o nome.
O antigo morador vive hoje em Vila Verde e é um dos 30 antigos moradores que quis regressar a Vilarinho para acompanhar a apresentação do projecto NaturParque. Desde 1971 que ninguém aqui mora, depois de preparado o caminho para a subida das água do rio Homem. Mas, em ocasiões como esta, os vilarinhenses aproveitam para regressar às origens.
Especialmente a 8 de Dezembro, dia da padroeira da aldeia, Nossa Senhora da Conceição. Ano após ano, os antigos moradores continuam a aproveitar a data para se encontrarem, lembrando as velhas festas no coração da aldeia. "Íamos de porta em porta chamar os convidados", lembra João Rodrigues. A ementa era composta habitualmente por cabra com batata e arroz de miúdos. Para a sobremesa ficavam as rabanadas, feitas com pão espanhol, quando a fronteira se atravessava ilegalmente.
Os antigos moradores não perderam o contacto entre si, especialmente desde que, em 1985, criaram a associação A Furna, empenhada na preservação da aldeia comunitária. Hoje, para os que sobreviveram a quatro décadas, as memórias da vida na aldeia confundem-se com as do seu fim.
"Vem aí a presa." A frase verbalizava o receio de desaparecimento da aldeia nos anos que antecederam o enchimento da albufeira. A "presa" começou a ser uma realidade cada vez mais próxima, até que, em 1971, foi preciso meter toda a aldeia em carrinhas e tirá-la dali. A diáspora de Vilarinho espalhou-se por vários concelhos do Norte e pela emigração, mas alguns moradores ficaram a viver ali perto, na povoação vizinha de S. João do Campo.
Era lá que vivia José Maria Barreira. Filho de moradores de Vilarinho, lembra-se de ir à aldeia dos pais amiúde. "Tinha lá uma pequena e ia lá muito aos bailes de domingo", recorda. Acompanhou a mudança dos vizinhos e lembra o primeiro amanhecer da aldeia-fantasma: "No dia seguinte só havia silêncio. Houve uma voz que se apagou." Vilarinho da Furna estava logo do outro lado do rio. "Tinham rebanhos de cabras, tinham vacas e porcos, mas de repente deixámos de os ouvir. Era como se nos faltasse qualquer coisa", ilustra José Maria.
As memórias de João Rodrigues são menos dramáticas. Diz ter "amolecido lentamente" a dor da perda das raízes. Explica: "Como fui viver para Campo, vi a barragem encher lentamente. A água não me chegou logo ao pescoço, foi-me afogando lentamente."


Publicado no Jornal “O Público” em 23-08-2009

Sem comentários: